Fogo: Dérbi entre Botafogo e Vulcânico fez faísca, mas não teve golos

08 de março de 2021

Botafogo x Vulcânico [foto: Manuel Roque Silva Júnior]
A+ A-

Arranque de campeonato de futebol na ilha do Fogo. E logo com jogo grande: Botafogo e Vulcânico não foram além de um empate a zero. Quem saiu beneficiado é a Académica que foi aos Mosteiros vencer o Nô-Píntcha por margem mínima. 

Na abertura do campeonato o Desportivo foi a São Filipe vencer o Nova Era por 2-0. Zezito marcou na segunda parte os dois golos da equipa de Cova Figueira.

Nos Mosteiros, Cutelinho não foi além de um empate a uma bola na recepção ao Valência. Inelson apontou o tento dos visitantes e Alex empatou de penálti para os leões.

O Nô-Píntcha perdeu em casa por 1-0 diante da Académica. Fifa marcou de penálti o golo do triunfo dos estudantes de São Filipe.

Este domingo, no fecho da jornada o ABC de Patim derrotou Spartak por 3-2.

No sábado, Botafogo e Vulcânico empataram a zero bolas no 1º dérbi da temporada. O jogo ficou marcado por 3 expulsões e um penalti falhado pelo Botafogo.

Moleza e Kadu do Vulcânico e Nonino do Botafogo foram expulsos com vermelho direto no decorrer da segunda parte.  

Na análise ao jogo Ailton Macedo, treinador Botafogo diz que a equipa tinha tudo para conquistar os três pontos. “É meu 1º jogo enquanto treinador do Botafogo… agora o foco é vencer o próximo jogo para recuperar os dois pontos perdidos hoje”.

Do lado do Vulcânico o treinador Danilo Diniz considera que, tendo em conta as circunstâncias do jogo o resultado é justo. “Nossa equipa teve um lance fortuito em que o guarda-redes é expulso… conseguimos segurar o empate e a equipa está de parabéns por isso.”

Empate a zeros no dérbi Botafogo x Vulcânico na retoma do campeonato regional do Fogo. A primeira jornada fica marcada por muitas expulsões, 6 no total.

Destaque também para o número de penáltis consentidos neste arranque da competição. Quatro castigos máximos assinalados em 5 jogos. Em termos de golos a jornada foi pouco produtiva, apenas 10 tiros certeiros.


Nilton Pires / RCV