“Cabo Verde pode dar-se por satisfeito nas suas relações com a Europa” - Nilton Cardoso, professor universitário

07 de maio de 2021

A+ A-

Cabo Verde terá que definir bem os seus objetivos, para que possa tirar cada vez melhor proveito das relações de cooperação com a União Europeia.  

O entendimento é de Nilton Cardoso, professor da disciplina de Relações Internacionais da Universidade de Cabo Verde.

O especialista considera haver margens para passos mais alargados, por exemplo em matéria do conhecimento, entre Cabo Verde e a Europa 

Para Nilton Cardoso, docente da disciplina de Relações Internacionais da Uni-CV, Cabo Verde pode dar-se por satisfeito nas suas relações com a Europa. Mais intensas desde os anos 2000 com a assinatura do acordo de Parceria Especial. 

A título de exemplo o reforço das instituições e a promoção da democracia. Nilton Cardoso acrescenta o acordo de pescas,  o da facilitação de vistos  e acordos em matéria de segurança e promoção da economia.

São marcas da cooperação entre Cabo Verde e a Europa, que se tornou mais intensa com o acordo de cooperação cambial rubricado em 1998 e o acordo de parceria especial de 2007.

O docente universitário acredita que Cabo Verde pode ir mais além, por exemplo, no que toca ao conhecimento. 

Nilton Cardoso admite que nem todas rondas negociais com a Europa tenham corrido de feição a Cabo Verde. Caso do acordo de pesca, que tem merecido críticas sobretudo de operadores do sector. Mas adverte que as relações com a União Europeia devem ser analisadas numa despectiva mais alargada. 

Nilton Cardoso falava à Radio de Cabo Verde à margem de uma palestra dirigida a alunos do 12º ano de escolaridade da Escola Secundaria Abílio Duarte para assinalar o Dia da Europa  que se celebra a 9 de maio. 



Artigos Relacionados